Nenhum comentário

Educação Alimentar: da cantina para a vida

Trabalho em PNAE de Bom Despacho usa criatividade e consegue alcançar até funcionários das escolas

Cuidar da alimentação de milhares de crianças, zelar pelo Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), pela boa educação alimentar e crescimento nutricional é um desafio que muitos municípios enfrentam. Mas a nutricionista, coordenadora da Merenda Escolar e responsável técnica do município de Bom Despacho, Tatiane Amaral, tem mostrado que é possível superar as limitações e envolver não só as crianças, mas também professores e funcionários das cantinas das escolas.

Em um trabalho que já dura seis anos, além de planejar e fiscalizar como está sendo ofertada a merenda nas escolas, a nutricionista e sua equipe propõem atividades lúdicas que promovem uma educação alimentar mais inclusiva, além de acompanhamento próximo dos professores e dos funcionários das cantinas.

Equipe de Nutrição em Bom Despacho realiza diversas atividades para promover educação alimentar

Muito mais que merenda

Com o pensamento de que a educação alimentar pode ir além do que comer os alimentos certos nas refeições corretas, como na merenda, são desenvolvidas atividade sobre hábitos alimentares mais saudáveis nas escolas do município, que acontecem como parte do dia letivo das crianças. As nutricionistas marcam um horário com a escola e realizam o momento com os alunos juntamente com o professor em sala.

As atividades são variadas, passando por apresentações com vídeos lúdicos para as crianças, momentos na cozinha, experiências sensoriais, trabalho sensorial com olfato, tato e paladar dos alunos com os alimentos, entre outras. Confira algumas das práticas adotadas:

Jogo da Memórias dos Hortifrutis

Neste jogo, os alunos brincam em um jogo da memória normal, buscando encontrar os pares correspondentes. O diferencial é que a criança é convidada a falar sobre o alimento descoberto, promovendo assim um momento de conhecimento e aproximação com o hortifruti, tanto para quem está falando, tanto para os colegas que estão ouvindo.

Montagem da Pirâmide Alimentar

Após uma breve explicação sobre a pirâmide alimentar, os próprios alunos são convidados a usarem alimentos oferecidos para a atividade, inserindo cada comida em sua faixa da pirâmide e justificando a escolha, testando os conhecimentos e também se eles estão prestando atenção na atividade.

As crianças aprendem sobre a Pirâmide Alimentar enquanto brincam

Boneco Doce de Frutas

O momento conta com duas fases: inicialmente, é contada a história do Boneco Doce de Frutas, personagem criado para cativar as crianças sobre a inclusão de frutas na alimentação diária. Em seguida, vem uma surpresa! Os alunos se dirigem para a cozinha onde eles mesmos poderão montar seus bonecos do jeito que eles mais gostarem.

Tabuleiro da Alimentação Saudável

Nessa atividade é montado um tabuleiro por toda a sala e os estudantes atuam como os peões para avançar nas casas. Então, os alunos então jogam os dados para saber quantas casas deverão andar e, dependendo de onde param, podem receber perguntas, premiações e incentivos sobre alimentação adequada e saudável.

Com o Tabuleiro da Alimentação Saudável as crianças entram dentro do jogo e aprendem sobre a nutrição

A nutricionista Tatiane Amaral fala sobre a importância de levar essa educação para  além do que está dentro do prato: “Nas nossas escolas, muitos alunos costumam trazer merenda também de casa e, muitas vezes, o que vemos é que essa merenda de fora não segue o padrão de alimentação saudável, com salgadinhos e refrigerantes. Assim, conseguimos diminuir que os alunos levem esses tipos de alimentos e  passam a inserir comidas mais saudáveis, como frutas na merendeira”.

Cuidado com a saúde dos funcionários

Além da atenção dada aos estudantes e aos professores em atividades dentro da sala de aula, Tatiane busca também envolver em seu trabalho alguns funcionários da escola, principalmente os funcionários da cantina.

Uma avaliação e orientação nutricional é feita com os funcionários que trabalham produzindo a merenda da escola e servindo aos alunos. Nesse encontro, são estabelecidas metas, principalmente relacionadas ao peso e os participantes que conseguem alcançar resultados satisfatórios na reavaliação são premiados.

Além disso, os profissionais da cantina passam, pelo menos duas vezes ao ano, por um treinamento relacionado às boas práticas na cozinha e à manipulação de alimentos, a fim de manter o padrão da alimentação escolar.

Cantineiros passam por capacitação pelo menos duas vezes por ano

A responsável técnica fala sobre o desafio nesses casos: “Às vezes, lidamos com cantineiras com mais idade e temos que convencê-las sobre a relevância do nosso trabalho, mas temos superados esses desafios. Conseguimos até que cantineiras apresentassem perda de peso!”

Amar para nutrir

Bom Despacho conta com uma rede de ensino que atende cerca de quatro mil alunos nas escolas do município. E para poder oferecer educação alimentar de qualidade, Tatiane conta com o trabalho de mais duas nutricionistas, que realizam visitas técnicas, acompanhamento e atividades nas escolas: Cíntia Madeira e Andreza Oliveira.

Para a nutricionista, todo esse trabalho tem rendido bons frutos no município: “Nós temos visto muita interação com os alunos, pois eles gostam de participar e os professores também. Estudantes que antes não comiam nada, estão passando a se alimentar na escola. Às vezes, encontramos crianças e que falam ‘Olha você me falou que essa verdura é boa e eu estou comendo!’”.

Uma das iniciativas em progresso também é a implantação de hortas nas escolas, com participação dos estudantes e professores no cuidado das plantas

Tatiane considera que o diferencial para trabalhar com Educação Alimentar e o PNAE deve ser o amor e a atenção, buscando a formação de hábitos alimentares mais saudáveis tanto dos alunos, quanto de toda a comunidade escolar.